1 CENTAVO POR PEÇA! Shein é denunciada por trabalho análogo à escravidão

Investigação de canal britânico, acusa gigante da moda Shein de pagar aos seus colaboradores cerca de 1 centavo por peça produzida.

A Shein é uma gigante do comercio eletrônico, sendo muito popular inclusive no Brasil devido a qualidade e preço baixo de seus produtos, no entanto uma notícia vínculada na emissora briânica, Canal 4, estremeceu a todos.

Segundo a matéria, que acusa a Shein de promover trabalho análogo a escravidão, começou depois que uma das reporter da emissora resolver se disfarçar de trabalhadora e buscar uma vaga de trabalho na Shein.

Com isso a repórter conseguiu filmar o interior de duas fábricas que ficam na cidade de Guangzhou e que fornecem as peças de roupas que são vendidas pela Shein.

Segundo a reportagem, em uma das fábricas é pago aos trabalhadores cerca de 4 centavos de dólar por peça produzida, algo em torno de R$ 0,22 , já em outra fábrica o salário base dos trabalhadores é de 4 mil yuans, em uma conversão direta cerca de 555 doláres, porém para receber esse valor é preciso que o(a) trabalhador(a) entregue 500 peças de roupa por dia!

A repórter que fez a investigação, disse que em conversa com os gerentes das fábricas, os mesmo informaram que a carga horária de trabalho é de cerca de 18 horas por dia, com somente um dia de folga por mês e sem turno definido.

O que diz a Shein sobre as denuncias


Depois da grande repercussão em relação as condições de trabalho nas fábricas que fornecem roupas para Shein, a mesma se mostrou “preocupada” com as denuncias, conforme comunicado abaixo:

“Estamos extremamente preocupados com as reclamações apresentadas pelo Canal 4, que violariam o Código de Conduta acordado por todos os fornecedores da Shein. Qualquer não-conformidade com este código é tratada rapidamente e encerraremos parcerias que não atendam aos nossos padrões. Solicitamos informações específicas do Canal 4 para que possamos investigar.” “Os padrões de Fornecimento Responsável (SRS) da Shein impõem aos nossos fornecedores um código de conduta baseado em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e leis e regulamentos locais, incluindo práticas trabalhistas e condições de trabalho”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *